06/05/17...Horizontina terá dia 20 de maio o 1º Baile à Moda Antiga

06/05 16:43:02 - Cultura
06/05/17...Horizontina terá dia 20 de maio o 1º Baile à Moda Antiga

Baile à moda antiga tem ingressos limitados em 350 afirmam os coordenadores

Buscando resgatar e reviver os fandangos gaúchos de antigamente, a Invernada Xiru Oiga Tchê e o CTG Carreteiros de Horizonte, de Horizontina, promove para o dia 20 de maio, o Primeiro Baile à Moda Antiga. “A maior parte da pesquisa é baseada nos livros de Paixão Cortes, que é folclorista e pioneiro no resgate das tradições do Rio Grande do Sul e nós, para nosso evento, também pesquisamos aqui na região sobre as comidas e ornamentação da época”, diz um dos coordenadores da programação o tradicionalista Jorge Paulino Rodrigues (Dom Rodrigues).

         Os bailes daquela época, das décadas de 60 e 70, eram iluminados com candeeiros ou velas, tinham música com amplificação baixa ou acústica, tinham café da meia noite ou da madrugada (haverá um buffet de café campeiro), e tudo isso vai ter também no baile de Horizontina, informa Rodrigues. A animação estará por conta do Conjunto Parceria dos músicos Valdemar, Pibi e grupo.

Também idealizador do evento o instrutor de dança Dauto Marques, destaca que durante o baile serão realizados concursos de melhor caracterização, grito do sapucay, melhor par dançante, entre outros e os prêmios também serão como eram antigamente, o que para muitos, poderá ser surpresa. Além disso, haverá integração de danças tradicionais gaúchas e danças de fandango – algumas delas com as invernadas artísticas. “Como é um baile temático e didático, vamos ter presença de Etnias Italiana, Polonesa e Alemã, todos caracterizados com suas roupas” destaca Dauto.

Paulino informa que também será montado um Bolicho, com algumas iguarias, como degustação de cachaça e chimarrão, um espaço especialmente decorado para fotos, e ainda, um tacho para armazenar cerveja, como era naquela época, para demonstração.

Os bailes daquela época, dos jovens das décadas de 60 e 70, eram iluminados com candeeiros ou velas, tinham música com amplificação baixa ou acústica, tinham café da meia noite e tudo isso vai ter também no baile em Horizontina. No café as comidas serão típicas da região: cuca, salame, torresmo, entre outros.

Os bailes de antigamente eram um dos poucos pontos de encontro e diversão dos jovens e das famílias. “Ali iniciavam muitos namoros, sempre com princípio de respeito e com galanteios para a conquista. O homem, por exemplo, chamava a atenção pela destreza na dança e pela vestimenta. As moças não podiam dar ‘carão’, tinham que dançar uma ‘marca’ caso fossem convidadas. Era feio negar uma dança e se a moça assim fizesse, o peão podia até xingar a prenda.  Além disso, havia um quarto no salão onde as meninas novas ficavam e olhavam o baile pela janela, espiando os rapazes através da cortina, assim como tinha o quartinho para as crianças dormir, enquanto os pais bailavam. “O baile era um evento importante, as pessoas se arrumavam desde cedo para ir muitas vezes a pé ou a cavalo, às vezes até de caminhão com a família toda e até a vizinhança e isso era muito natural”.

 Dos costumes de antigamente, Paulino recorda que muitas pessoas chegavam ao baile com revólver ou faca, mas, para a segurança no trajeto de ida e volta, muitas vezes atravessando picadas e matas. “Hoje em qualquer lugar não se permite arma, nem se permitirá no nosso baile, mas naquela época era comum o peão entrar no salão e deixar a arma na secretaria para ser guardada e só pegar na saída”, lembrou.

Os ingressos são limitados ao número de 350 e estão sendo comercializados junto a Secretaria do CTG Carreteiros de Horizonte.

SICREDI COOPERAÇÃO PREMIADA