07/11/15...CORSAN tem serviço questionado em redes sociais e na imprensa

08/11/2015 00:15:03 - Geral
07/11/15...CORSAN tem serviço questionado em redes sociais e na imprensa

FOTO; LEITOR REPÓRTER

 

As últimas horas e dias marcaram uma verdadeira onda de reclamações com relação aos serviços prestados pela Companhia Rio-grandense de Saneamento-CORSAN no município de Horizontina. Valas abertas para consertos de vazamentos estariam sem a reposição do pavimento, ou fazendo várias semanas que os consertos foram efetuados permanecem gerando obstáculos no trânsito. Outras reclamações apontaram vazamentos de grande vulto e que estariam desperdiçando água tratada.

Ainda, segundo relatam usuários, na região dos bairros Campestre, Vila Bela e COHAB o conserto de uma rede ocasionou, no retorno do abastecimento, água suja com lama misturada, com transtornos pela sujeira em paredes de Box, pias, filtros e caixas de água na tarde/noite de quinta-feira (5). Dezenas de usuários enviaram relatos e fotos à redação Olinda FM/Jornal FC.

A reportagem buscou neste sábado (7) contato com o gerente da Unidade de Saneamento de Horizontina Marcos Conte que explicou detalhadamente cada uma das dificuldades que está encontrando para desenvolver seu trabalho.

Quanto à água suja que chegou a algumas residências, o gerente reconhece que de fato isso aconteceu. Explica que ocorreu o rompimento de uma rede de 200 na região do Bairro Campestre e que após o conserto inevitavelmente, apesar de todo o esforço de sua equipe que por horas realizou o que tecnicamente é classificado como expurgo, a água suja entrou pela rede. “Isso ocorre quando redes grossas rompem”, explica Marcos.  O transtorno da sujeira que acabou nas casas é lamentado pelo gestor, no entanto ele garante que o eventual consumo dessa água turva ou suja, como dito pelos moradores, não traz danos à saúde, pois, ela é tratada e clorada.

No que tange as valas abertas em vários pontos da cidade e vazamentos, não escondeu que o convênio entre a Corsan e o Município de Horizontina passa por dificuldades. “É uma verdadeira maratona para a gente conseguir máquinas, e nesse final de semana mesmo, estamos com três vazamentos de grande porte que precisamos atacar, falta máquinas e demoramos mais que o previsto para fazer os consertos”, diz.

Ele relata que até o final do ano, a responsabilidade de abertura de valas com serviços de retroescavadeira, caminhão caçamba e repavimentação é da prefeitura municipal. “O município alega não ter disponível pó de pedra usado após abertura da pavimentação para recompor os pontos ao tráfego, e já estamos comprando e fornecendo, mas não podemos ter contrato em duplicidade, por exemplo, contratar uma empresa privada enquanto vigora o convênio”, admite.

Após o término deste ano, a Corsan pretende contratar uma empresa para a prestação de todo o serviço, abertura, fechamento e recomposição do pavimento logo depois de decorrido o adensamento do solo.

RÁDIO OLINDA FM/JORNAL FOLHA CIDADE

GIRO AMBIENTAL