Advogado da Laticínios Progresso afirma que legislação permite adição de amido de milho no queijo

17/06/2015 13:06:24 - Geral
Advogado da Laticínios Progresso afirma que legislação permite adição de amido de milho no queijo

Juarez Antônio da Silva- advogado de um dos sócios da empresa

Por Alexandre de Souza

A empresa localizada no distrito de Progresso, Três de Maio,  alvo de denúncia do Ministério Público do Rio Grande do Sul na Operação Queijo Compen$ado 1, manifestou-se através dos advogados de um dos sócios-proprietários.

Conforme o causídico, Juarez Antônio da Silva, que defende o sócio Eduardo André Ribeiro, uma portaria do Ministério da Agricultura autoriza a colocação de amido de milho na fabricação de queijo e derivados em escala industrial. Silva disse que conversou na terça-feira (16) com o engenheiro químico responsável pela indústria. Em entrevista a Rádio Colonial, na quarta-feira, o advogado reconheceu que a empresa pode ter usado o amido no processamento de queijo, mas não no percentual denunciado pelo Ministério Público.

“O queijo da Laticínios Progresso não representa risco à saúde, como o próprio promotor afirmou em entrevista. Eventualmente, o amido de milho pode ter sido usado de acordo com os parâmetros previstos pelo Ministério da Agricultura. Agora contestamos o percentual denunciado pelo MP. O engenheiro químico, também, contesta o prejuízo no valor nutricional”, disse Juarez.

Segundo o Ministério Público, em vez de usar 10 litros de leite para fazer 1 quilo de queijo (que é a fórmula padrão), a empresa usava apenas de cinco a seis litros da matéria-prima e adicionava amido de milho para compensar.

Sobre o mau-cheiro exalado do queijo, comprovado por meio de escutas telefônicas, o advogado acredita que pode ter havido defeito de fabricação devido ao tempo de maturação do produto ou por falta de acondicionamento correto. Na opinião de Silva, o “fedor” relatado por alguns clientes pode revelar algum problema na fabricação, mas jamais caracterizaria um crime de adulteração do alimento.

Sobre outra ilegalidade relacionada com a logística, a Laticínios Progresso transportava o queijo para Ivoti para vendê-lo na Região Metropolitana e Vale dos Sinos, Silva diz que não teve tempo ainda para fazer a análise detalhada do material levantado pelo MP. O advogado garantiu, ainda, que os produtores de leite que entregaram o produto para a empresa vão receber os valores normalmente.

SICREDI COOPERAÇÃO PREMIADA