Depoimento de Larri Jappe sacudirá Horizontina diz advogado de defesa

02/04/2014 14:33:07 - Policial
Depoimento de Larri Jappe sacudirá Horizontina diz advogado de defesa

Larri poderá oferecer denúncias inesperadas e impactantes amanhã

Um dos advogados de defesa do ex-vereador Larri Jappe, empresário no distrito de Vila Cascata, interior de Horizontina, Dr Carlos Scheid disse nesta quarta-feira (2) em entrevista a Rádio Olinda FM,  que o primeiro depoimento de seu cliente à Justiça será revelador e mexerá profundamente com a cidade.

O réu está preso preventivamente desde maio de 2013, depois que o Ministério Público denunciou-o como envolvido na operação Leite Compen$ado I. Amanhã ocorrerá a audiência de interrogatório, oportunidade para o acusado esclarecer em juízo os pontos de sua defesa. Segundo Scheid, o réu será questionado pelo Juiz que após ouvi-lo, oferece a oportunidade para questionamentos também da acusação (MP) e da Defesa.

Até o momento a investigação do MP nunca oportunizou a defesa ao réu, e por vezes as investigações são desta forma, reconhece Dr.Scheid. –“ Consideramos uma investigação unilateral, ocorrendo denúncia com base no que foi apresentado pelo Ministério Público,  e ele nunca se manifestou”, disse o causídico.

Questionado sobre a demora (extensão) da prisão preventiva, o advogado esclareceu que os processos seguem alguns passos e nesse caso o interrogatório do réu é um dos últimos atos da instrução. Destaca que a prisão preventiva, é uma medida cautelar, não originada de sentença condenatória. Scheid também fez referências ás varias tentativas de colocar o réu em liberdade, todas negadas pela justiça local e também no Tribunal de Justiça do Estado. Ele ponderou que as ações ainda não foram julgadas no STJ e por tanto não chegaram ao STF.

A audiência da tarde desta quinta, ás 14h, em seu formato, dependerá de decisão do magistrado local, Dr Danilo Schneider Jr, mas à princípio espera a defesa, que haja debates orais, onde o juiz interroga o réu, pergunta as partes se tem provas complementares, o MP sustenta a acusação e a defesa apresenta seus argumentos. Também poderá o magistrado optar pela apresentação das provas escritas, e neste caso a sentença também pode ser posterior de forma escrita.

Quanto a linha de defesa do réu, Scheid não quis antecipar a metodologia a ser usada, mas adiantou ser questionável a competência do MP para tais investigações, a falta de provas técnicas, pois jamais as testemunhas de acusação apontaram Larri como autor da inserção de substâncias nocivas no leite para encorpar seu volume, não há provas de que o leite oriundo do transporte efetuado por Jappe foi adulterado. –“ Larri sempre fez todos os testes que competem ao transportador, no caso alegado, a ureia, o formol, tais testes sanitários são de competência da indústria”.

Sobre o clamor social pela condenação, gerado após as denúncias da Operação Leite Compen$ado,  Dr Scheid chamou atenção para os desencontros(contradições) da Justiça Brasileira e Gaúcha. –“No caso da boate Kiss, foram mais de 240 os mortos, há corpos, provas materializadas mas os réus(responsáveis) estão soltos. Contra meu cliente não há sequer uma prova técnica mas ele segue preso. O que afeta mais a opinião pública? 240 mortos ou uma denúncia sem prova de vítimas?” perguntou

 Sobre o fato do depoimento de Larri mexer profundamente com a vida da cidade, Scheid não quis antecipar nada. Tão somente convocou a imprensa, para que se faça presente na audiência desta quinta, que será pública. Adiantou que o cliente antecipará alguns casos que ocorrem na Comarca de Horizontina.

Finalizando, Scheid foi perguntado sobre a ureia e notas de outros produtos encontradas na propriedade do acusado, respondendo que ele comercializava todos os produtos legalmente e há provas de seu destino final nas propriedades de agricultores da região. Sobre as perdas econômicas e pessoais do cliente que fechou a transportadora, perdeu o mandato político e teve sua reputação abalada, o profissional jurídico disse que fica para um segundo momento. –“Neste país, por vezes, não poucas,  não há presunção de inocência, somente de condenação, nós não encontramos elementos jurídicos cabíveis nem para a manutenção da prisão, tampouco pela manutenção dos caminhões que foram apreendidos, enfrentamos uma resistência inexplicável para atuação da defesa, seja o habeas corpus, seja até mesmo para nos permitirem fazer a manutenção dos caminhões para que não se depreciem”, revelou.

A audiência será ás 14h desta quinta, na sala de audiências do Forum de Horizontina. O Juiz Schneider Jr. autorizou a presença da imprensa na sala onde haverá o interrogatório.  

SICREDI COOPERAÇÃO PREMIADA