Secretária da Saúde de Nova Candelária participa de encontro para combate da dengue

24/04/2015 14:14:57 - Saúde
Secretária da Saúde de Nova Candelária participa de encontro para combate da dengue

Foto: Assessoria de Comunicação

Nos últimos meses, o número de casos de dengue dobrou no Rio Grande do Sul. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, neste ano já foram confirmados 430 casos no Estado. No ano passado, neste mesmo período haviam 60 situações registradas. Tamanha disparidade preocupa a todos e deixa a região em alerta. Dados mostram que o município de Caibaté, na região das Missões, tem o maior número de casos de dengue: 176 todos autóctones (adquiridos no estado). Em seguida, aparece o município de Novo Tiradentes, com 43 casos, seguido por Erval Seco e Panambi, com 39 casos cada. 

Neste sentido, a Secretária da Saúde e bem-estar social de Nova Candelária, Simone Wille, participou do encontro da região noroeste para enfrentamento da dengue, que aconteceu no dia 8 de abril, no teatro Antônio Sepp, na cidade de Santo Ângelo. Participaram também do encontro prefeitos, secretários, diretores de hospitais, médicos, enfermeiros, equipes técnicas de vigilância em saúde e conselhos municipais de saúde.

O Secretário da Saúde do Rio Grande do Sul, João Gabbardo dos Reis, falou sobre a atual situação da dengue no estado, alertando sobre o cenário e expondo perspectivas. A programação contou ainda com mais cinco espaços com diferentes sub temas, todos relacionados à dengue.

Para a Secretária Simone Wille, o encontro foi de grande importância para um novo alerta à doença: “Os dados mostram cada vez mais que a dengue é coisa séria e no nosso município, mesmo que, a maioria das pessoas possui o hábito de manter os espaços limpos e livres de água parada, ainda assim, há focos do mosquito. Na nossa região o alto nível de casos nos alerta ainda mais sobre a doença”.

Nova Candelária possui uma agente de endemia, responsável pelas visitas periódicas às casas localizadas na área urbana. Já na zona rural, quem faz o monitoramento das propriedades são os agentes de saúde. A Secretaria de Saúde do município salienta para que todos mantenham suas casas e propriedades livres de focos do mosquito.

O mosquito transmissor da doença é de cor escura, com listras brancas e tem por hábito picar durante o dia. O Aedes aegypti somente se infecta com o vírus da dengue ao picar uma pessoa com a doença, então o mosquito passa a transmitir o vírus. Não existe tratamento específico para a doença e nem vacina para a prevenção. Portanto, a melhor forma de prevenir é acabar com os focos do mosquito transmissor (acúmulo de água).

Sintomas (Fonte: Secretaria Estadual de Saúde)

A dengue clássica se manifesta assim:
99% das pessoas apresentam febre durante cerca de sete dias com início abrupto.
60% têm dor de cabeça frontal severa, dores nas articulações e músculos.
50% têm dor atrás dos olhos (retro-orbital);
50% têm prostação, indisposição, perda de apetite, náusea e vômitos. 
25% têm manchas vermelhas no tórax e braços.
IMPORTANTE: A Dengue se diferencia de resfriados e gripes por não apresentar sintomas respiratórios.

LS NOROESTE BAZAR E PAPELARIA